Irã executa lutador acusado de homicídio durante protestos

O governo do Irã executou o lutador Navid Afkari neste sábado, 12, como pena decretada devido a um assassinato cometido em 2018, segundo veiculou a agência de notícias local “IRNA”. De acordo com as informações divulgadas Afkari, de 27 anos, foi enforcado na prisão Adel Abad, na cidade de Shiraz, no sul do país.  Nos últimos dias, a organização humanitária Human Rights Watch, o Comitê Olímpico Internacional e até a Fifa se manifestaram para defender que o lutador não fosse executado, após denúncias de que ele havia sido torturado e confessado crime de maneira forçada. O presidente dos EUA, Donald Trump, também fez um apelo no Twitter pedindo que o jovem não fosse executado.

Afkari foi detido em agosto de 2018, junto com dois irmãos dele, durante protestos na cidade de Shiraz, contra a má situação econômica do Irã, que foram reprimidas pelas autoridades. Em vídeo exibido na semana passada pela emissora de televisão pública do Irã, o lutador confessou ter esfaqueado várias vezes Hassan Turkman, um homem que atuava como segurança de uma companhia local de água e que morreu por consequência dos ferimentos.

De acordo com informações do Poder Judiciário, a autópsia indicou com o falecimento aconteceu por causa de um sangramento grave após várias artérias vitais do pescoço terem sido atingidas por uma ferramenta perfurante afiada.
Os dois irmãos de Afkari, também condenados no caso, tiveram penas de prisão de 54 e 27 anos de prisão, respectivamente.

*Com Agência EFE