Asteroide do tamanho de ônibus escolar passa ‘perto’ da Terra


Nesta quinta (24), ele deve chegar a 22 mil km de distância do nosso planeta. A Nasa, a agência espacial americana, assegurou que não haverá uma colisão. Animação do Centro da Nasa para Estudo de Objetos Próximos à Terra mostra a trajetória do asteroide 2020 SW enquanto passa – ao longe – da Terra nesta quinta-feira (24). A animação também mostra a localização de um satélite em sincronia com a Terra, orbitando a cerca de 36 mil km acima da Linha do Equador.
Nasa/JPL-Caltech
Um asteroide passa “perto” da Terra na manhã desta quinta-feira (24), anunciou a Nasa, a agência espacial americana. Mas não há motivo para pânico: ele ainda deve ficar a 22 mil km de distância do nosso planeta – cerca de quatro vezes a distância entre Uiramutã (RR) e o Chuí (RS), as cidades mais ao norte e mais ao sul do Brasil, respectivamente.
O asteroide tem de 5 a 10 metros de largura, segundo a Nasa, aproximadamente o tamanho de um pequeno ônibus escolar. O nome oficial do objeto é 2020 SW.
Ilustração mostra o asteroide 2020 SW viajando através do espaço.
Nasa/JPL-Caltech
“Embora não esteja em uma trajetória de impacto com a Terra, se estivesse, a rocha espacial quase certamente se quebraria no alto da atmosfera, tornando-se um meteoro brilhante conhecido como bola de fogo”, informou a agência espacial americana.
De acordo com Paul Chodas, diretor do Centro de Estudos de Objetos Próximos à Terra (CNEOS, na sigla em inglês) da Nasa, existem vários asteroides “minúsculos” como este – a estimativa é de que sejam mais de 100 milhões. Mas eles são difíceis de descobrir a não ser que cheguem muito “perto” do nosso planeta – o que acontece várias vezes por ano.
“Na verdade, asteroides desse tamanho impactam nossa atmosfera cerca de uma ou duas vezes por ano, em média”, explicou Chodas.
Segundo a agência americana, o momento em que o asteroide passou mais perto do planeta foi às 8h12 da manhã desta quinta (horário de Brasília), sobre o sudeste do Oceano Pacífico.
O asteroide vai continuar sua jornada ao redor do Sol, não retornando às vizinhanças da Terra até 2041 – quando fará um sobrevoo muito mais distante.