Itália libera dinheiro para evitar demissões; França impõe quarentena e fecha fronteiras

O governo da Itália vai liberar 25 bilhões de euros para evitar demissões e ajudar profissionais autônomos prejudicados pela paralisação em função da pandemia de coronavírus. Uma parte do montante será destinado ao sistema sanitário nacional e à Defesa Civil.

A quarentena de viajantes e o fechamento de estabelecimentos se estende por outros países, como Grécia, Canadá e China, que observou aumento de casos importados do coronavírus.

Na Europa, a Polônia aumentou a vigilância sanitária e a Sérvia declarou estado de emergência. A França impôs quarentena à população. Os franceses só poderão sair de casa para ir ao mercado ou à farmácia, para consultas médicas, atividades físicas e para trabalhar — quando o home office não for possível.

O governo ainda fechou as fronteiras e decidiu adiar o segundo turno das eleições municipais. Segundo o presidente Emmanuel Macron, o país vive uma guerra pela saúde.

A partir desta segunda-feira (16), duas fábricas de perfumes e cosméticos do grupo LVMH, dono de marcas de luxo como Louis Vuitton e passaram a produzir álcool em gel. O produto será distribuído gratuitamente para funcionários da saúde do país.

A Alemanha proibiu celebrações religiosas e pediu que os cidadãos cancelem viagens domésticas e internacionais.

*Com informações da repórter Nanny Cox

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui