MPF investiga recusa de empresas áreas em remarcar viagens por causa do coronavírus

O Ministério Público Federal (MPF) investiga a recusa de companhias aéreas para ressarcir clientes ou remarcar viagens em razão do coronavírus. O procedimento foi aberto pela Câmara de Consumidor e da Ordem Econômica da Procuradoria.

Este não é o primeiro posicionamento do MPF sobre a crise do coronavírus e o comportamento de empresas aéreas. No dia 10, o órgão recomendou à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que expedisse ato normativo para assegurar aos consumidores a possibilidade de cancelamento sem ônus de passagens aéreas nacionais e internacionais para destinos atingidos pelo novo coronavírus.

Segundo o MPF, o objetivo é acompanhar e “coibir eventuais irregularidades no setor aéreo, notadamente quanto aos cancelamentos e remarcações de passagens aéreas decorrentes da pandemia causada pelo coronavírus”.

A Portaria de instauração do procedimento leva em consideração “o grande volume de representações recebido pelo Ministério Público Federal em face das negativas de empresas do setor aéreo para restituição dos valores pagos pelos consumidores no caso de cancelamentos de passagens em razão da pandemia causada pelo coronavírus”.

A instauração do inquérito é assinada pelo coordenador da 3CCR, subprocurador-geral da República Luiz Augusto dos Santos Lima, e o procedimento será conduzido pelo Grupo de Trabalho Consumidor, da 3CCR, coordenado pela procuradora da República Mariane Guimarães de Mello Oliveira.

* Com informações do Estadão Conteúdo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui