Discussão sobre aplicativos de transporte na Câmara Municipal pode estar longe do fim

A Câmara de São Paulo já chegou a aprovar a proibição total do uso de aplicativos de transporte em São Paulo. Agora os vereadores debatem restrições ao volume de motoristas, o vereador Adílson Amadeu defende 40 mil carros, mesmo volume dos táxis.

“Quem tem culpa então de trazer todos os desempregados do Brasil é a profissão dos taxistas. Todos que sentarem em um carro vão trazer renda? Não é assim.”

Em ano eleitoral, os parlamentares não deram quórum na votação do projeto. O vereador Police Neto avalia que é preciso discutir um meio de regulação sem radicalismo.

“Com regras claras de segurança, de como faz a integração dele com o transporte público coletivo. Tem muito a fazer, mas não da forma que foi apresentado pelo vereador Adílson Amadeu.”

O avanço dos aplicativos preocupa outro modal de transporte; os ônibus. O presidente da SPURBANUSS, Francisco Christovam ressalta a prevalência ao meio individual.

“A cidade vai vivenciar o caos. Não temos espaço urbano para acomodar todas essas tecnologias que são de transporte individual.”

O presidente da Associação Nacional de Transportes Públicos, Aílton Brasiliense, avalia os impactos dos aplicativos nas grandes cidades.

“A margem de sobrevivência no transporte público em qualquer cidade é muito estreita. Se você tiver uma perda significativa no número de passageiros, você pode comprometer o transporte e isso não é o que se quer.”

O sistema de aplicativos mudou a mobilidade das pessoas e na medida em que as tarifas do transporte público sobem, o passageiro faz suas contas e procura dividir corridas, em busca de conforto e rapidez.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui