Ministério da Economia reduz projeção de crescimento do PIB para 2,1%

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia revisou a expectativa para o crescimento da economia brasileira em 2020. A nova projeção é de um crescimento de 2,1% no Produto Interno Bruto (PIB) para este ano. Antes, a estimativa de avanço era de 2,4%.

A nova previsão foi anunciada em um momento de incerteza sobre o desempenho da atividade econômica diante do avanço do novo coronavírus, o Covid-19. O dado divulgado faz parte da nova grade de parâmetros que a equipe econômica utilizará para reestimar receitas e despesas do Orçamento, anunciada até 22 de março.

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, admitiu na terça-feira (9) que a retomada mais lenta deve comprometer as receitas e levar a um bloqueio de despesas no Orçamento para evitar o descumprimento da meta fiscal, que permite déficit de até R$ 124,1 bilhões.  A arrecadação federal foi baseada em uma expectativa de crescimento de 2,32% em 2020.

Outro parâmetro que deve influenciar a queda nas receitas é o choque nos preços do petróleo no mercado internacional. A lei orçamentária foi formulada com base em uma expectativa de cotação média de US$ 58,96 por barril de petróleo Brent, mas a commodity encerrou o pregão de ontem a US$ 37,22. O governo não trouxe projeções sobre o petróleo no relatório.

O governo também deve retirar da conta os R$ 16,2 bilhões esperados com a privatização da Eletrobras, cujo projeto ainda não avançou no Congresso.

Demais projeções

O governo ainda revisou sua projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em 2020, de 3,73% para 3,28%. O indicador serve de referência para a correção do salário mínimo, que por sua vez afeta o valor de dois terços dos benefícios pagos pelo INSS, além de gastos com abono salarial e assistência social.

As projeções da SPE também indicam alta de 3,12% no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que é o indicador oficial da inflação, ante uma expectativa de avanço de 3,62%.

*Com informações do Estadão Conteúdo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui