Havard pede que alunos não retornem ao campus e anuncia ‘aulas remotas’ para conter avanço do coronavírus

A Universidade de Harvard pediu nesta terça-feira (10) para que os alunos não voltem ao campus em Cambridge, no Estado de Massachusetts, depois das férias de primavera por causa do coronavírus.

A instituição também anunciou que as aulas serão dadas remotamente a partir de 23 de março, o dia em que o ensino deveria ser retomado.

“Os alunos estão convidados a não retornar ao campus após as férias da primavera e a cumprir suas obrigações acadêmicas remotamente até nova ordem. Os alunos que têm que ficar no campus também serão instruídos remotamente e terão que se preparar para atividades severamente limitadas”, disse em comunicado o presidente da instituição, Larry Bacow.

Além dessas medidas, a universidade realizará “uma transição nos próximos dias para não ter encontros não sociais com mais de 25 pessoas”.

No texto, Bacow declarou que “a decisão de passar ao ensino virtual não foi tomada precipitadamente” e que todas as ações foram tomadas “de acordo com as recomendações das principais instituições de saúde para evitar a expansão da Covid-19”.

Com esta decisão, Harvard se junta a uma longa lista de universidades dos Estados Unidos que cancelaram aulas presenciais após as férias, como as de Columbia, Princeton, Ohio State, Hofstra e Stanford, entre outras.

Um grande número de universidades também cancelou programas de intercâmbio internacional devido ao novo surto.

Os casos de coronavírus nos Estados Unidos, segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) do governo, chegaram a 647, com pelo menos 25 mortes.

*Com informações da EFE

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui